24.1.13

Post repetido



Já no outro blog comentei o assunto e hoje estou tão atarantada que tenho de falar disto outra vez.
Eu deixo o meu filho na escola e, mais ou menos à mesma hora, aparece um Audi A3, a todo o gás, com uma mãe stressada às 07.55h da manhã e que não diz coisas bonitas ao filho - que não tem mais do que 8 anos - quando se despede dele. Diz-lhe coisas do tipo "anda lá... despacha-te!" "és sempre o mesmo atrasado..." e coisas do género. Em alto e bom som, enquanto descarrega o miudo porta fora junto ao portão da escola. O menino não diz nada. Não está a fazer nada e o comum é vê-lo de leite achocolatado na mão e bolachas de pacote.
Isto não é cusquice, pois está ali, à minha frente. Enquanto ela diz isto, eu por norma estou a tirar o meu filho da cadeira auto e faço questão de o levar pessoalmente à Educadora ou Auxiliar.
A tipa arranca a toda a velocidade e pronto. Lá vem o miudo carregado de coisas, a tentar segurar a mochila e o pequeno almoço, enquanto as palavras duras e estupidas daquela mãe ficam a entoar, e o cheiro a gasóleo do carro é já uma certeza que se pôs na alheta depressinha.

Hoje foi mais uma sessão de amor materno de extremo cuidado e dedicação. "Já viste como tens as mãos? Cheias de chocolate! Despacha-te! És sempre o mesmo. És um badalhoco!" O miudo sai do carro calado, ela fecha a porta e arranca a toda a velocidade.

Fiquei gelada. Não olhei directamente mas o volume foi o suficiente para todos ao redor ouvir. Entreguei o meu filho, vim para fora e cruzei-me com o menino. Olhou-me e tinha os olhos vermelhitos, talvez de chorar, não sei. Isto mexe comigo. Tenho uma pena daquele menino...! Não me parece ser travesso mas todos temos dias menos bons e descarregar daquela maneira, constantemente, no filho, é coisa para me deixar admirada e com a certeza que há certas mulheres que não deveriam ter parido.
Não sou perfeita. Tenho dias maus com o meu filho, tenho dias que lhe dou raspanetes mas há limites, há cuidados e principalmente, há frases que não se dizem aos filhos.

Estou a perder a paciência e como não posso reprimi-la, não tenho esse direito, posso confidencializar com a Educadora do meu filho o que presencio e pode ser que alguém superior veja o que eu (e todos os pais que estão ali àquela hora) assisto todas as manhãs e possa falar com esta mãe. Pelo menino. Apenas e só.

Bom dia!

2 comentários:

Pi Maria disse...

Enfim, nem toda a gente lá por poder ter filhos deve os ter. Há pessoas que simplesmente não têm jeito e são uns irresponsáveis de primeira :S

_grey_ disse...

Eu não sei como é aquela mãe no dia a dia, mas ter aquelas reacções logo de manhã é de ficar com o pé atras. Até posso estar redondamente enganada!

Logo terei o trabalho árduo de ajudar o meu filho a decorar uma abóbora. Help.